1981: Brasil – Espanha em Bicicleta

Em novembro de 1981, José Geraldo sonhou com uma estranha aventura, viajar do Brasil à Espanha, em bicicleta, para assistir a copa do mundo de futebol “Espanha ‘82”. Para muitos era apenas um louco que queria aparecer nos jornais e na televisão; para outros, um sonhador com muita vontade de fazer, se seus sonhos uma realidade.

Assim no dia 26 de novembro de 1981, o aventureiro saiu do Rio de Janeiro, com rumo Sevilha, onde a seleção Canarinho disputava a primeira fase da Copa. As estradas do Brasil, Uruguai, Chile percorrida a cada dia… A América do Sul foi ficando para trás. O grande sonho de ver a Copa estava se transformando em realidade. Sem dinheiro, Jose Geraldo teve muitos problemas nas fronteiras, porém, todos eles foram solucionados. De todos, o mais anedóticos com um suave sabor político: A policia local não deixava entrar na Inglaterra, porque ele havia estado na Argentina (que neste tempo estava em guerra com os ingleses, pelas ilhas Malvinas). Depois de muitas horas, pode, com a ajuda de jornalistas latinos em Londres, carimbar seu passaporte.

Superado o impasse, e já no Velho Continente, dirigiu sua bicicleta rumo à pátria de Cervantes. Seis meses e meio depois de ter saído do Brasil, e diante dos olhares incrédulos de centenas de jornalistas do mundo, Jose Geraldo chegava a exatos dois minutos antes da seleção Brasileira, as portas do Parador Carmona, concentração brasileira em Sevilha. Entre lagrimas e sorrisos de felicidade, o ciclista ia recebendo a cada um dos integrantes da seleção, que também se mostraram contentes por aquela recepção fora de qualquer programação. A classificação do Brasil para a fase seguinte foi extremamente fácil. Em quanto os outros torcedores brasileiros iam de avião para Barcelona, Jose Geraldo empacotava suas ilusões na bicicleta para seguir a seleção. Seis dias depois, Las Ramblas, uma das principais artérias de Barcelona, recebia em ritmo de Samba o ciclista que já era conhecido como Zé do Pedal.

Tudo estava muito bonito, ate que, numa tarde, o Brasil caia aos pés da Itália, dando adeus ao sonho do Tetracampeonato. Se os jogadores do Brasil voltavam para casa de cabeça baixa, Zé do Pedal fez tudo ao contrario, a bordo do Transatlântico que o levou de volta ao Rio de Janeiro, foi sonhando com uma viajem maior… Louca e excitante: a volta ao mundo em bicicleta. A chegada a cidade natal de Viçosa foi apoteótica, com centenas de pessoas saindo as ruas para receber o conterrâneo. Ninguém mais o chamava de louco.